Sou Pro

Planeamento fiscal: 8 dicas essenciais

dicas planeamento fiscal

O planeamento fiscal é uma parte essencial da gestão de uma empresa. Permite otimizar a carga fiscal, evitar coimas, e otimizar resultados. E não tem de exigir muito tempo ou competências especializadas. Qualquer um o pode fazer com estas 8 dicas práticas.

1. Conheça as obrigações da sua empresa

Para um planeamento fiscal eficaz, o primeiro passo é saber quais são as obrigações do tipo de empresa que gere. Comece por estudar o calendário fiscal e as datas em que tem de declarar e pagar cada imposto, como o IVA, IRC e IES. Assim, pode fazer um planeamento adequado de modo a ter tudo em dia sem nunca ser penalizado.

2. Mantenha a documentação organizada

Ter os documentos organizados é uma tarefa morosa, mas essencial para um correto planeamento fiscal. Para isso, a melhor forma é não esperar pelo fim do mês ou do trimestre para arquivar corretamente os documentos. Arrume cada fatura, extrato e recibos na pasta certa, no momento em que o emite ou recebe. Se fizer este trabalho em fluxo, e não esperar pelo fim do período, terá sempre os documentos em dia.

3. Acompanhe as alterações fiscais

Pode não parecer, mas o código fiscal está em permanente mutação. No final de cada ano, são anunciados o calendário para o ano seguinte e as novas taxas fruto do Orçamento de Estado. Aqui são anunciadas novas datas, alterações à legislação e atualização de taxas. Por exemplo, a pandemia de Covid-19 veio introduzir novas regras e alterar datas há muito estabelecidas. Para fazer um planeamento fiscal adequado, mantenha-se a par destas informações.

4. Calcule a margem dos produtos após impostos

Para um planeamento fiscal adequado é importante projetar a margem líquida das vendas, isto é, após impostos. Ao usar este indicador, em vez da margem bruta (que equivale a vendas menos custos), fica com uma noção mais clara do que a empresa ganha efetivamente com cada venda. E evita surpresas de tesouraria ao final do mês ou trimestre.

A margem líquida é também um indicador para perceber se os preços dos produtos ou serviços estão corretamente definidos, ou seja, se consideram todos os impostos que incidem sobre o negócio.

Artigo relacionado: Estratégias de preço mais comuns em e-commerce

5. Aproveite os benefícios fiscais

Os benefícios fiscais aplicáveis devem fazer parte do planeamento fiscal. Em determinados casos, podem aplicar-se isenções, exceções ou taxas mais reduzidas. Por exemplo, as empresas que empregam pessoas com algum tipo de limitação podem ter direito a poupar na Segurança Social.

O mesmo se aplica se contratar desempregados. Já as organizações sediadas em Municípios pouco povoados do interior podem usufruir de uma taxa reduzida de IMI ou Imposto Municipal.

6. Projete o fluxo de caixa

Sabe qual é a previsão de saídas e entradas no próximo ano? Quais são as previsões de pagamentos? Qual a disponibilidade financeira? Há margem para investimentos? Que capital precisa para manter empresa ativa?

O planeamento fiscal tem de ter em conta a resposta a estas perguntas. Para isso faça um balanço entre o dinheiro que é expectável que saia e o que entre. Assim tem a perceção de se a empresa terá margem para saldar os compromissos fiscais ou não e sabe com o que contar.

Artigo relacionado: 8 boas práticas para aumentar o free cash-flow

7. Automatize os processos fiscais

A automação é uma grande parte do planeamento fiscal. Assim é possível realizar vários procedimentos obrigatórios, como emissão de notas fiscais ou pagamento de impostos, mas de forma automática.

Esta vertente ajuda o gestor de uma empresa a cumprir tarefas de rotina, mas que precisam de ser feitas, tendo mais tempo para desenvolver outras funções importantes. Poupa-se tempo e o trabalho torna-se mais fácil.

8. Faça auditorias periodicamente

As auditorias internas têm uma importância acrescida no que toca a situações fiscais. É esta vertente de controlo que vai permitir que tenha tudo controlado relativamente ao que envolve a empresa.

Para realizar uma auditoria interna, deve comparar os dados do extrato bancário com o respetivo documento comprovativo, como a fatura recebida ou o recibo de pagamento. Cada linha do extrato deve ter um documento associado para comprovar a sua legitimidade, que por sua vez deve estar organizado na pasta certa.

No OLX sabemos que gerir uma empresa é uma tarefa desafiante. São muitos os aspetos a ter em conta para que nada passe ao lado. Ter uma boa organização e fazer um planeamento fiscal bem feito é meio caminho andado para que não tenha despesas inesperadas. Se necessita de uma gestão fácil e intuitiva, conheça todas as vantagens do OLX Pro e comece hoje a vender online.


Partilhe este artigo nas suas redes:

Próximas leituras:

Deixe um comentário