Sou Pro

IRS Jovem: como pagar menos imposto?

O que é o IRS Jovem

O IRS Jovem é uma mais-valia para jovens entre os 18 e os 26 anos que acabaram de entrar no mercado de trabalho. Durante os três primeiros anos de obrigações fiscais, é aplicado um desconto de forma a conseguir mais rendimento. Isto faz com que os jovens não sintam tanto o peso dos impostos sobre os seus salários ao final do mês.

Descubra para este IRS de 2022 o quanto pode poupar com este regime de descontos.

O que é o IRS Jovem?

O IRS Jovem é um programa do governo que isenta os jovens de pagar a totalidade do imposto sobre o rendimento. Esta isenção pode ser usada durante três anos seguidos ou interpolados, após a conclusão de um ciclo de estudos.

Para já, este regime especial de tributação aplica-se apenas a rendimentos relativos a trabalho por conta de outrem. Mas estima-se que tal mude brevemente e que os rendimentos do trabalho independente sejam igualmente abrangidos.

Quem pode usufruir deste desconto?

Este regime especial de isenção destina-se a jovens trabalhadores:

  • entre os 18 e os 26 anos de idade;
  • com um ciclo de estudos de nível 4 ou superior concluído (equivalente ao ensino secundário ou vocacionado);
  • com rendimento anual bruto consequente de trabalho dependente (categoria A) igual ou inferior a 25.075€;
  • que não façam parte do agregado familiar dos pais e entreguem uma declaração de IRS singular.
  • Para ficar isento, todos os jovens que cumpram as condições acima devem informar a entidade patronal que querem aplicar este regime.

Artigo relacionado: O que são as Deduções à Coleta do IRS?

Quanto poupa em imposto com IRS Jovem?

Segundo a informação disponível no Portal das Finanças, o benefício fiscal para jovens com um rendimento coletável da categoria A (incluindo os rendimentos isentos) têm isenção parcial de IRS de:

  • 30% no primeiro ano, com um limite de 3.291,08€ (7,5xIAS)
  • 20% no segundo ano, com um limite de 2.194,05€ (5xIAS)
  • 10% no terceiro ano, com um limite de 1097,03€ (2,5xIAS)

Para estas contas, considerou-se que o Indexante de Apoios Sociais (IAS) para 2021 é de 443,20€. Este valor é atualizado todos os anos com base na evolução do PIB e da inflação.

O benefício não é cumulativo com o regime dos Residentes Não Habituais (RNH), nem com o regime fiscal relativo ao Programa Regressar (artigo 12. º – A do Código do IRS).

O IRS Jovem é automático?

Não. Desde 2017 foi implementado o IRS automático para facilitar as entregas das declarações do imposto mas este não abrange o IRS Jovem. Para beneficiar deste desconto, os jovens precisam de preencher o modelo 3 manualmente – mais especificamente o anexo A.

Para a declaração ficar bem preenchida, o quadro deve conter o NIF da entidade patronal empregadora do jovem, bem como, ter selecionada a opção pelo regime do IRS jovem.

Como preencher o modelo 3?

Para os mais jovens que acabaram de entrar no mercado de trabalho, a entrega do IRS pode parecer um monstro de 3 cabeças. Calcular o IRS não precisa de ser uma tarefa árdua para os contribuintes, mas há alguns pontos a ter em conta.

Neste regime o mais importante a considerar são os quadros 4A e 4F do Anexo A do Modelo 3 referentes a trabalhadores por conta de outrem (dependentes) ou pensionistas.No preenchimento dos quadros, verifique se os campos não estão já pré-preenchidos. Isto é o procedimento habitual mas se tal não ocorreu, adicione uma linha no quadro 4A e considere os campos:

  1. NIF da entidade pagadora: o número de identificação fiscal (NIF) da sua empresa empregadora;
  2. Código dos Rendimentos: opção “417-rendimentos do trabalho dependente, compreendendo subsídios de férias e de Natal, incluindo parte isenta dos mesmos – Regime previsto no artigo 2ºB do Código de IRS – anos de 2020 e seguintes”;
  3. Titular: o seu NIF próprio;
  4. Rendimentos: valor os rendimentos obtidos no ano passado (equivalente ao ano de IRS em causa);
  5. Contribuições: valor da contribuição para a Segurança Social;
  6. Quotizações sindicais: valores pagos a sindicatos (se existirem).

Para o quadro 4F, adicione uma linha (se necessário) e considere:

  1. Titular: o seu número de identificação fiscal (NIF);
  2. Ano da conclusão do ciclo de estudos: ano em que concluiu o curso;
  3. Nível de qualificação do QNQ: nível de qualificação do ciclo de estudos concluído (nível 4 – ensino secundário ou vocacionado; nível 5 – estudos pós-secundário com créditos para o ensino superior; nível 6 – licenciatura; 7 – mestrado; 8 – doutoramento);
  4. Estabelecimento de ensino/País da conclusão do ciclo de estudos: nome da escola, colégio ou universidade do curso ou código do país (se ciclo de estudos foi terminado fora do país).

Artigo relacionado: Como calcular o IRS. Guia para empreendedores

Os trabalhadores-estudantes têm direito ao IRS Jovem?

Sim. Se o contribuinte trabalhou durante o ciclo de estudos, mesmo em contrato, tem direito ao IRS Jovem. Para efeitos do benefício de isenção são considerados apenas os rendimentos obtidos após a conclusão do ciclo de estudos.

Quantas vezes pode usar o IRS Jovem?

Cada jovem pode usufruir da isenção parcial apenas uma vez. Os 3 anos de descontos não têm que ser consecutivos e o contribuinte pode requerer este regime mesmo que fique desempregado e volte a trabalhar novamente – considerando que os restantes requisitos são cumpridos.

Sublinha-se também que mesmo que os jovens tenham terminado os estudos antes de 2020 (altura em que foi implementado o regime em lei de Orçamento de Estado) e só começado a trabalhar em 2022 estão igualmente abrangidos pelo IRS Jovem.

Poupe com o IRS Jovem e invista o dinheiro naquele projeto que já há muito lhe ocupa as ideias. No OLX Pro ajudamos empreendedores portugueses a crescer online, sem chatices nem complicações. Registe-se no portal e apresente os seus produtos e serviços a mais de 80.000 utilizadores diariamente!


Partilhe este artigo nas suas redes:

Próximas leituras:

Deixe um comentário