Sou Pro

O que é o Business Intelligence e como pode ajudar o seu negócio

O que é o Business Intelligence

E se fosse possível consultar os dados mais relevantes do negócio com apenas alguns cliques? Ou consolidar informação de diferentes áreas da empresa em dashboards intuitivos? No fundo, tomar melhores decisões com base em dados, mais depressa e acabar com a edição manual de dados e preparação de reports. Estas são algumas das possibilidades que o Business Intelligence, ou BI, uma ferramenta de apoio à gestão, abre para as empresas. Descubra em que consiste.

O que é o Business Intelligence?

As ferramentas de Business Intelligence (BI) combinam dados de diferentes áreas de uma empresa (comercial, logística, etc) de uma forma visual, rápida e intuitiva, para que os líderes possam analisar e tomar melhores decisões. Com estas conclusões, é possível impulsionar mudanças, eliminar ineficiências e adaptar a empresa às transformações do mercado.

Por exemplo, uma empresa que procure gerir melhor a cadeia logística precisa de Business Intelligence para determinar onde ocorrem atrasos e onde existem variabilidades no processo de envio. A mesma organização pode empregar esta ferramenta para descobrir quais são os produtos ou meios de transporte que mais se atrasam. Ou para perceber em que ponto do processo de compra é que os clientes desistem.

O que costumava demorar meses a analisar e necessitar de uma equipa especializada é, hoje em dia, muito mais simples e está ao alcance de qualquer um, graças às novas ferramentas de processamento de dados.

KPIs: o que são e como ajudam o seu negócio?

Quais as vantagens para as empresas?

As ferramentas de Business Intelligence aceleram a análise de informações e podem ajudar as empresas a aumentar a produtividade, identificar problemas, e reconhecer áreas com potencial de crescimento.

Estas são as principais vantagens:

  • Maior eficiência dos processos;
  • Análise do comportamento do cliente e dos padrões de compra;
  • Acompanhamento das vendas, atividades de marketing e desempenho financeiro;
  • Benchmarks claros com base em dados históricos e atuais.;
  • Alertas sobre anomalias de dados e problemas do cliente.

As aplicações práticas do Business Intelligence na vida das empresas estendem-se a praticamente todas as áreas.

Como aplicar na prática

Das vendas às operações, não há área de uma empresa que não possa beneficiar do Business Intelligence. Mas estas serão provavelmente aquelas em que o impacto é mais imediato.

Vendas e Marketing

Com o Business Intelligence, é possível aumentar o impacto das iniciativas de marketing e vendas. Porquê? Porque, escondidas debaixo uma grande quantidade de dados, estão informações relevantes que permitem discernir o que move o consumidor e as principais tendências de compra.

Pode chegar à conclusão de que determinados produtos são frequentemente comprados em conjunto, ou que um certo nível de desconto é mais eficaz do que outro. Ou que um determinado template de proposta comercial é mais aceite pelo cliente ou até que algumas imagens e cores trazem mais resultados nas newsletters que envia.

Operações

É possível aumentar a eficiência das operações ao automatizar tarefas analíticas de rotina, como reports, edição de dados, e envio de emails. Por outro lado, como a informação segue sempre a mesma estrutura, a probabilidade de erros é inferior.

Estes dados podem depois ser utilizados para aumentar a produtividade, identificar falhas e implementar melhorias. Basta ver, como exemplo, o controlo de stock: com esta ferramenta pode automatizar a análise de dados para ajudar a antecipar tendências de compra.

Mais vendas, menos burocracia. O mundo da automatização de processos

Contabilidade

Se ainda recorre ao excel para resumir dados fundamentais da empresa como vendas e custos, talvez esteja na hora de um upgrade. Com o Business Intelligence é mais fácil ter uma visão geral da empresa, estudar dados históricos, calcular riscos e fazer projeções. Pode, por exemplo, ter sempre uma visão atualizada dos resultados da empresa a “x” meses de acordo com os últimos resultados obtidos.

Segurança

A preocupação com a segurança dos dados e privacidade dos clientes é cada vez maior. Por isso, é importante poder filtrar apenas os dados necessários para o assunto abordado, e evitar partilhar informação a mais ou a menos. A maioria das ferramentas de Business Intelligence permite este controlo de acessos, e identificar, por exemplo, as informações que estão acessíveis a cada função.

Como proteger a sua empresa de um ataque de phishing

Ferramentas de Business Intelligence

Se está à procura de uma ferramenta intuitiva de Business Intelligence, que não requer conhecimentos de programação nem uma longa curva de aprendizagem, estas são as mais recomendadas.

  • PowerBI. A ferramenta da Microsoft segue muita da lógica e funcionalidades de outras apps do Office, o que a torna mais fácil de utilizar. Pode, por exemplo, embeber dados de várias folhas de Excel;
  • Google Data Studio. A opção para quem está habituado às ferramentas da Google, incluindo o Google Sheets e Google Analytics. Permite cruzar, por exemplo, informação de vários “Sheets” num único dashboard;
  • Einstein Analytics. Se já utiliza as ferramentas da Salesforce.com e pretende ter uma melhor visualização dos dados de várias áreas, esta é a opção mais intuitiva;
  • Tableau. Fornece visualização de dados e pode integrar com uma variedade de fontes de dados, incluindo Excel;
  • Alteryx. Combina análises de uma variedade de fontes para simplificar fluxos de trabalho, bem como fornecer insights.

OLX PRO: parceiro digital dos negócios preocupados com os dados

Foram insights como estes que levaram muitas empresas a registar-se no OLX Pro, o portal desenhado especificamente para empresas que querem vender online no OLX.

Toda a informação fica registada numa plataforma única, e pode depois ser utilizado para testes rápidos na plataforma OLX que conta com mais de 15 milhões de visitantes por mês. Tudo isto sem pagar comissões sobre vendas, e com um registo totalmente gratuito. Experimente.


Partilhe este artigo nas suas redes:

Próximas leituras:

Deixe um comentário