Sou Pro

Ato isolado: o que é e como emitir

O que é um ato isolado e como emitir

O conceito de ato isolado foi criado para ajudar todos os prestadores de serviços pontuais ou quem procura formalizar uma venda única, sem ter de passar pelas burocracias inerentes à abertura de atividade nas Finanças.

Mas, apesar de aparentemente muito simples, passar um ato isolado tem implicações a nível fiscal. Descubra tudo o que precisa de saber sobre esta forma de comunicação com a AT.

O que é um ato isolado?

O ato isolado ou ato único, é uma fatura que serve como comprovativo de prestação de um serviço ou venda de uma mercadoria, de ocorrência única, até 25.000€. É ideal para quem não está registado como trabalhador independente e não pretende abrir atividade nas Finanças nem na Segurança Social. Também não é exigida contabilidade organizada.

Por exemplo, alguém que seja convidado para dar uma palestra pode passar um ato isolado para comprovar a prestação desse serviço. Já um escritor que escreva artigos regulares para uma revista ou jornal não poderá recorrer ao ato isolado.

Só é possível praticar um ato isolado por ano. Apesar da lei não ser totalmente explícita neste ponto, a maioria dos especialistas fiscais admite que o ato isolado corresponde a uma operação comercial ou prestação de serviços que não se repete. Desta forma, se for uma prática previsível e reiterada, ainda que com caráter esporádico, é obrigatório dar início à atividade. Existem, no entanto, outros especialistas que admitem a possibilidade de se passarem dois atos isolados por ano, desde que não seja à mesma entidade.

Guia completo sobre recibos verdes

IRS

Os rendimentos de um ato isolado, que se configurem como de natureza comercial ou profissional, estão sujeitos a tributação em sede de IRS, através da entrega do anexo B da declaração modelo 3 de IRS.

Estão dispensados de apresentar a declaração Modelo 3 e o respetivo anexo B os contribuintes que realizem atos isolados cujos rendimentos sejam inferiores a quatro vezes o valor do IAS (1 755,24 euros em 2020), e não aufiram outros rendimentos,

IVA Liquidado

A emissão de um ato isolado implica a cobrança de IVA, tipicamente à taxa normal de 23%. Em casos muito específicos, pode ser cobrado IVA à taxa intermédia de 13% ou à taxa reduzida de 6%.

Mas há exceções. A dispensa de cobrança de IVA aplica-se, por exemplo, a prestações de serviços efetuadas por determinados profissionais, como médicos, odontologistas, parteiros, enfermeiros, protésicos, atores, músicos e desportistas.

Após a emissão do ato isolado, o IVA tem de ser liquidado até ao final do mês seguinte ao da conclusão do serviço ou venda, em qualquer serviço de Finanças ou através da guia modelo P2, a emitir no Portal das Finanças.

Retenção na fonte

Se o ato isolado ultrapassar os 12 500 euros, então também é necessário fazer retenção na fonte em sede de IRS. A taxa de retenção pode variar entre os 11,5% e os 25%.

Documentos

Existem três tipos de documentos disponíveis: fatura-recibo, fatura e recibo. Se a prestação do serviço ou realização da venda coincidir com o pagamento, deve emitir-se uma fatura-recibo. Caso contrário, emite-se uma fatura, emitindo-se o respetivo recibo após o pagamento.

Resumidamente, existem assim três tipos de documento que podem configurar um ato isolado:

  • Fatura: com a identificação fiscal das partes intervenientes, a descrição da operação e respetivo valor;
  • Recibo: emitido aquando do pagamento da operação e como prova da quitação da fatura previamente emitida;
  • Fatura-recibo: emitida quando a data da operação e do seu pagamento coincidem.

Como emitir um ato isolado

O ato isolado é emitido eletronicamente, no Portal das Finanças.

Para emitir, siga este processo:

  1. Faça login utilizando o seu NIF e Password de acesso e, na sua área pessoal, aceda ao separador “Faturas e Recibos Verdes”.
  2. Carregue em “Emitir” e escolha entre Emitir Fatura ou Fatura-Recibo. Como não tem uma atividade aberta nas finanças, tal é automaticamente considerado um ato isolado.
  3. Indique a Data de prestação de serviço, o NIF da entidade para a qual prestou o serviço, a descrição do trabalho e os valores envolvidos.
  4. Selecione as opções aplicáveis em relação ao Regime de IVA, Base de incidência de IRS e Retenção na fonte.
  5. Ao preencher o valor base, o sistema calcula automaticamente a importância recebida.

Vantagens e desvantagens do ato isolado

Resumidamente, estas são as principais vantagens e desvantagens do ato isolado.

Vantagens

  • Uma das principais vantagens de emitir um ato isolado é não ter de abrir atividade nas Finanças como trabalhador independente, nem de se inscrever na Segurança Social.
  • Além disso, os sujeitos passivos que emitam atos isolados ficam dispensados de contabilidade organizada, no que respeita a esses atos.
  • A emissão eletrónica é extremamente simples.

Desvantagens

Como principal desvantagem, só pode emitir um ato isolado por ano.

O OLX Pro é o parceiro de todas as empresas e trabalhadores independentes que querem crescer online. Para isso, basta registar o seu negócio de forma gratuita aqui, e começar a vender sem pagar comissões. Toda a informação necessária para gerir a fiscalidade da empresa está disponível, os dados de vendas sempre atualizados e os contactos com os clientes são facilitados.


Partilhe este artigo nas suas redes:

Próximas leituras:

Deixe um comentário